Apesar de usar imagem do ex-presidiário exaustivamente em sua propaganda, Carlos Brandão aprova e deve dar continuidade a um dos principais projetos de Jair Bolsonaro no setor

O governador, e candidato à reeleição, Carlos Brandão (PSB) não deve acompanhar o ex-presidente Lula em uma de suas principais propostas para a educação. Em fevereiro deste ano, o grupo que formula as políticas educacionais do petista afirmou que pretende abandonar as escolas cívico-militares. Em sabatina no Portal Imirante na manhã de hoje, Brandão disse que irá investir no programa, caso reeleito.

LULA NÃO QUER

No dia 8 de fevereiro deste ano, o ex-presidente Lula se encontrou com integrantes do núcleo de educação da Fundação Perseu Abramo, entidade ligada ao PT. Entre eles, estava a deputada estadual de Pernambuco Teresa Leitão, responsável pela área de educação no PT. Na ocasião, Teresa afirmou que partido não deve dar continuidade ao programa desenvolvido no governo de Jair Bolsonaro.

“O projeto das escolas cívico-militares fracassou”, disse. “O PT é contra esse projeto e com certeza não vai bancá-lo. Quem quer botar um filho ou filha em escola militar pode fazer isso com os colégios militares. O espaço físico das escolas públicas não pode ser ocupado por autoridades militares”, frisou.

BRANDÃO ELOGIA

Já o governador Carlos Brandão afirmou que pretende aumentar os investimentos nas escolas cívico-militares. O candidato ainda apresentou um cenário de eficiência que, segundo ele, exige que os investimentos no modelo devem ser potencializados. Questionado pelo jornalista José Linhares Jr sobre o problema que teria caso ele e seu candidato a presidente sejam eleitos (uma vez que o presidente pretende acabar com o projeto que ele pretende dar continuidade), Brandão desconversou sobre a proposta.

Abaixo o trecho da entrevista do governador Carlos Brandão: