Desde que foi anunciada pelo Governador Carlos Brandão como “de alto padrão”, a embarcação, responsável por fazer a travessia entre os Terminais da Ponta da Espera e Cujupe, tem apresentado sérios problemas durante a sua operação, com diversas ocorrências relatadas pela população que usa o transporte.

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou nessa quarta ( 6 junho) à Capitania dos Portos do Maranhão a suspensão imediata da autorização concedida para que a embarcação José Humberto inicie operação no sistema de Transporte Aquaviário.

Desde que foi anunciada pelo Governador Carlos Brandão como “de alto padrão”, a embarcação, responsável por fazer a travessia entre os Terminais da Ponta da Espera e Cujupe, tem apresentado sérios problemas durante a sua operação, com diversas ocorrências relatadas pela população que usa o transporte.

A Capitania dos Portos do Maranhão divulgou uma nota informando que foram encontrados problemas na documentação e nas condições estruturais do ferry boat no dia 21 de julho de 2022. Além disso, avarias de casco, meios de comunicação de segurança inexistentes, vazamento de óleo, dentre outras graves irregularidades também foram identificadas na embarcação. Após vistoria, os agentes do MPF detectaram no dia 28 de junho 24 graves deficiências na embarcação que prejudicam a segurança da navegação, da vida humana e do meio ambiente.

O MPF emitiu ofício ao procurador-geral da Justiça para solicitar ao MPMA providências cabíveis em relação ao comportamento adotado pelo estado do Maranhão – principalmente a Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB), que faz à população maranhense, usuária do serviço de ferry boat, passar por inúmeros transtornos.

.