“Direitos humanos é para a vítima, esse vagabundo que se exploda!”, disse o presidente.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o médico anestesista que estuprou uma mulher grávida durante cesariana em um hospital em São João de Meriti, na Baixada Fluminense (RJ), deveria “apodrecer para sempre na cadeia”.

Bolsonaro lamentou que a Constituição brasileira não permita a prisão perpétua. “É extremamente lamentável que a nossa Constituição não permita sequer que o maldito estuprador que abusou de uma paciente grávida anestesiada no RJ apodreça para sempre na cadeia, sem nenhum tipo de privilégio. Direitos humanos são para a vítima, esse vagabundo que se exploda!”, declarou o presidente nas redes sociais.

Giovanni Quintella Bezerra, de 32 anos, foi preso em flagrante depois que funcionárias do hospital filmaram o anestesista introduzindo o seu pênis na boca da paciente, que estava desacordada. Ele foi levado para o presídio de Benfica, na Zona Norte do Rio, no início da tarde de segunda-feira.

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro instaurou um processo disciplinar para cassar o registro do profissional, que foi indiciado por estupro de vulnerável, cuja pena varia de oito a 15 anos de reclusão. A Polícia Civil investiga se há outras vítimas do anestesista.