Em meio à desaceleração do mercado imobiliário que o país enfrenta, os comunistas tem preocupações nos setores de tecnologia, educação e geopolítica.

Segundo informado pela agência de notícias Reuters nesta quinta (23/06), a China tem pior taxa de desemprego da última década. Desta forma, mais de dez milhões de recém formandos chineses enfrentam a pior taxa de desemprego da última década.

“O contrato social do governo com o povo era ‘fique fora da política e nós te garantimos que a cada ano você vai estar melhor […] Sem essa garantia, o que pode acontecer?”, disse Michael Pettis, professor da Universidade de Pequim, alegando que as rigorosas restrições no país aumentaram ainda mais os problemas econômicos.

De acordo com a Randstad, empresa de recrutamento chinesa, neste ano, as novas contratações caíram entre 20% e 30% em relação ao ano passado, sendo o nível de desemprego no país é o pior desde a crise de 2008 e 2009. A estimativa é que o déficit tenha sido de pouco mais de 6%.

O desemprego da juventude pode colocar em xeque a tentativa de reeleição de um terceiro mandato do ditador Xi Jinping (Partido Comunista Chinês), presidente da China.